Purmamarca, Salinas Grandes, San Antonio de Los Cobres e Viaducto La Polvorilla



8º dia - 07/11/16 - Tilcara a Salta (passando por San Antônio de Los Cobres): 350 km

Saímos de Tilcara sem destino final, hoje era o dia decisivo na nossa viagem, ou dormiríamos em San Antonio de Los Cobres para ir até Tolar Grande e Antofagasta de La Sierra ou abreviaríamos nossa viagem voltando até Salta e seguindo para outra cidade a decidir. Já que não havíamos reservado hotel, teríamos o dia para pensar! 



Partimos em direção a Purmamarca, eu já conhecia da volta do Deserto do Atacama, porém achei muito linda, e, quis retornar, afinal da outra vez estava escurecendo e não pudemos ver o Cerro Siete Colores com luminosidade. Como eu já comentei sempre quis dormir e ter passado uns dias na cidade, mas como os hotéis são poucos e caros, acabei optando por ficar em Tilcara, e adorei. (no post anterior eu falo sobre Tilcara.)
Mas, sim, Purmamarca é uma graça! Muito simples e simpática, com certeza deve ser muito legal se hospedar por lá!
O dia que fomos estava lindo e nos rendeu belas fotos!





De lá seguimos em direção à Salinas Grandes, pela Ruta 52 sentido Chile. Nesse trajeto encontra-se Cuesta de Lipán, que é a subida da cordilheira. Esse trajeto é incrível, mas cuidado com a altitude, aumenta muito, chegando a 4.170 metros de altitude.





Agora há um escritório de turismo que oferece passeios guiados pelo salar, com seu próprio carro, vale à pena pagar, não se pode entrar sem os guias. Da outra vez que estivemos lá não existia o escritório então pudemos entrar apenas em algumas partes do salar, mas é perigoso andar sem os guias, devido às poças de água subterrâneas. É muito lindo!







A partir desse ponto pegamos a Ruta Provincial 79, sentido San Antonio de Los Cobres. A estrada é toda em rípio, porém muito boa, bem ampla, achamos muito tranqüilo!  Cuidado, o trajeto tem muito animais soltos! Mas, rende belas fotos.









Chegamos a San Antonio de Los Cobres já no final da tarde, e, eu me imaginei num filme de velho oeste, não havia pessoas pela rua, parecia tudo parado no tempo, com uma nuvem de pó! ....

Antes de seguir para o Viaducto Polvorilla, paramos no único hotel razoável da cidade, que não tinha mais disponibilidade... E agora? Ou desistimos do trajeto para Tolar Grande, já que não poderíamos seguir para lá à noite, ou encarávamos outra hospedagem..... acabamos ficando com a primeira opção, voltar para Salta!




Mas não antes sem ir ao Viaducto La Polvorilla! Para chegar é preciso seguir pela Ruta 51 até o entroncamento com a Ruta 40, e, então seguir pela 40, que está em péssimo estado, mas, como o trecho é curto (11km) dá para ir tranqüilo. 
E, novamente chegamos à 4.200 metros de altitude! Acho que nesse ponto nosso organismo já estava se acostumando! Mas, por via das dúvidas, tomamos chá de coca no caminho!


Bom, aí está o Viaducto La Polvorilla, um dos mais altos (altitude) do mundo, por onde passa o trem de lãs nubens..... nem cogitei fazer de trem o percurso, achei que não valia a pena o custo x benefício, mas deve ser legal!



Voltando do viaduto agora em direção a Salta saímos de San Antonio de los Cobres pela Ruta 51. Logo na saída da cidade está em construção o asfalto, e logo depois começa o asfalto, passando por paisagens bem bonitas! Até escurecer, o asfalto terminar, a estrada estreitar, ter animais soltos na pista, aparecer penhascos ao lado e o pó dos outros carros tirarem completamente nossa visão! Foi terrível! Não façam esse percurso à noite, é muito perigoso! Tem um pedaço da estrada em rípio, a estrada é bem movimentada, muitos caminhões à noite, quase batemos em uma vaca, pois não conseguíamos enxergar nada devido ao pó.... quando o asfalto recomeçou foi um alívio! O trecho sem asfalto não é longo, nem faço ideia de quanto, naquela hora nem pensei em anotar! ;(
Enfim que chegamos em Salta bem (bem aliviados, eu diria) e nos hospedamos novamente no Hotel Wilson pelo ótimo custo x benefício!




Postagens mais visitadas deste blog

Porto Alegre – Mendoza – Santiago – Deserto do Atacama – DE CARRO!

Patagônia de carro!

Torres del Paine